Escalopinho de tempeh com cogumelos

Quem aqui já conhece o tempeh? Se você nunca provou, ou ainda não experimentou um tempeh realmente delicioso, digno de jantar especial, pode chegar mais!

 

A primeira vez que eu ouvi falar de tempeh deve ter sido em algum restaurante à quilo vegetariano que frequentava há alguns anos atrás. Achei meio sem graça (tadinho do tempeh), e nunca me interessei muito em comprar. Foi no meu tempo em NY ano passado, quando aprendi a trabalhar com o tempeh de verdade, que finalmente me encantei, e desde então o utilizo muito na cozinha e amo de paixão!!

Para quem nunca ouviu falar em tempeh (tempê-o-quê?), o tempeh é um bloco de soja fermentado, original da Indonésia, e popular na alimentação de vários países da Ásia. No Brasil, ele é super desconhecido, o que é uma pena, já que é considerado um dos alimentos mais nutritivos do mundo.

Ele é riquíssimo em proteína, fibras, cálcio, magnésio, vitaminas do complexo B, além de vários outros micronutrientes, como as isoflavonas (que ajudam no combate e na prevenção do câncer). Além disso, por ser um alimento fermentado, tem ótima digestibilidade, ou seja, seu corpo absorve tudo isso com muito mais facilidade do que comendo os grão de soja simplesmente cozidos.

Depois de um post que fiz há um tempo atrás sobre tempeh no Instagram, muita gente veio me perguntar se eu comia soja, afinal, esse é um alimento bastante controverso hoje em dia. Isso porque a soja consumida em massa hoje é em grande parte transgênica e cheia de agrotóxicos, além de ser ultraprocessada e incluída das mais diversas formas nos alimentos industrializados.

Como não sou nutricionista nem médica, não vou me aprofundar muito nessa questão (mas se quiserem indicações de artigos para se informar sobre o assunto, é só falar!). Só digo que evito sim a soja processada, mas como com frequência as suas formas mais naturais, integrais, fermentadas, e sempre orgânicas! (exemplos: shoyo sem glutamato, missô, tofu, tempeh).

De qualquer forma, pra quem não é amante de soja, hoje em dia há algumas marcas fazendo tempeh artesanal de outros grão e leguminosas, então procure saber nos mercados e feiras naturais da sua região (ou compre congelado pela internet!).

Uma coisa importante pra saber sobre o tempeh é que ele precisa ser marinado (e de preferência por um tempo!) Assim como o tofu, ele não tem muito sabor naturalmente, mas funciona como uma esponja, sugando todo o sabor e temperos da marinada que você fizer, e os resultados ficam incríveis!

Nessa receita, eu ensino uma marinada básica, adaptada da versão que eu aprendi na NGI, que você pode usar sempre que for preparar o tempeh. Eu a uso bastante, fazendo algumas pequenas variações de acordo com o perfil de sabor da receita que eu vou preparar.

Um grande truque que faz toda a diferença é marinar o tempeh no calor. Ou seja, colocar o tempeh na panela com a marinada escolhida e cozinhar em fogo baixo por alguns minutos. Depois é só escorrer e secar o tempeh, antes de assar, grelhar ou fritar. Isso agiliza muito a absorção do sabor e é a forma que eu mais gosto de fazer em casa.

Outros métodos para temperar o tempeh são:

  1. Cozinhar o tempeh por 3 minutos no vapor e deixá-lo descansando dentro da marinada de uma noite para outra.
  2. Descongelar o tempeh diretamente dentro da marinada na geladeira.
  3. Fazer uma mistura de ervas secas e especiarias, envolver o tempeh já cortado nessa mistura e grelhar (essa é a forma mais rápida, mas o sabor fica mais na superfície).

 

Voltando a receita, essa é uma ótima pedida para receber aquelas pessoas que dizem não viver sem carne. Apesar da minha dieta hoje ser muito mais para “high carb” do que “low carb” (posso falar disso um dia se vocês se interessarem), esse prato é um desses que eu faço quando meu corpo tá pedindo mais proteína, com a vantagem de ser de fácil digestão, caindo super bem até no jantar

O tempeh fica super suculento, com sabor e textura maravilhosos e é acompanhado divinamente pelo molho de vinho e cogumelos. Ela é ao mesmo tempo simples, com cara de comida caseira e reconfortante, mas pode ser facilmente incrementada com acompanhamentos mais “finos” e transformada num belíssimo jantar francês à luz de velas.

Na foto, servi com purê de batata e cebolas roxas caramelizadas <3

Não se esqueça de um bom vinho para acompanhar e de me contar o que acharam por aqui ou no Instagram (amo muito quando vocês me marcam!)

 

Um beijo e um ótimo fim de semana pra vocês!

 

Escalopinho de tempeh com cogumelos
Porções 3
Avaliações
Imprimir
Tempo de Preparo
30 hr
Tempo de Cozimento
30 hr
Tempo Total
1 hr
Tempo de Preparo
30 hr
Tempo de Cozimento
30 hr
Tempo Total
1 hr
Marinada
  1. 1 xícara de shoyo
  2. 1 tira de alga kombu (ou 2 folhas de louro)
  3. 4 cm de gengibre, descascado e em fatias
  4. 2 dentes de alho
  5. 275g de tempeh
  6. água
Escalopinho
  1. ½ xícara de araruta em pó (ou amido de milho)
  2. azeite
  3. ½ xícara do líquido da marinada
  4. ½ xícara de vinho tinto
  5. ½ xícara de água
  6. 150 gramas de cogumelos portobello, fatiados
  7. 1 colher de sopa de tomilho seco
  8. 1 colher de sopa de manjericão fresco picado
  9. suco de meio limão
  10. salsinha picada, para decorar
Passo a Passo
  1. Coloque o shoyu, a alga (ou as folhas de louro), o gengibre em uma panela larga. Corte o tempeh em fatias de um pouco menos de 1cm na diagonal. Adicione o tempeh fatiado a panela e acrescente agua até cobrir. Deixe cozinhando em fogo baixo por aproximadamente 15 minutos.
  2. Retire o tempeh da panela e seque sobre uma toalha. Coe e reserve o líquido da marinada. Envolva o tempeh com uma camada fina de araruta.
  3. Em uma frigideira grande anti-aderente, aqueça um pouco de azeite e grelhe as fatias de tempeh até dourarem de ambos os lados. Reserve.
  4. Na mesma panela, adicione o líquido da marinada, o vinho e 1 colher de chá de araruta em pó. Deixe o caldo reduzir em fogo baixo até começar a engrossar.
  5. Adicione os cogumelos fatiados, o tomilho e o manjericão. Cozinhe em fogo baixo até os cogumelos estarem no ponto e o caldo mais espesso. Adicione o tempeh e desligue o fogo.
  6. Finalize com suco de limão e sirva com purê de batatas ou com o arroz de sua preferência.
Dicas e substituições
  1. A alga kombu é muito utilizada na culinária japonesa para dar sabor e ajudar na digestão. Mas se for difícil de encontrar, fique a vontade para substituir pelo louro (a nossa versão ocidental utilizada com quase a mesma função).
  2. A araruta em pó pode ser substituída por amido de milho (que eu normalmente evito, por ser quase sempre transgênico), fécula de mandioca ou até farinha de trigo (se você não tiver problema com o glúten).
Experiência Vegana http://experienciavegana.com/
2 Comments
  • Stephanie

    agosto 10, 2017 at 10:10 pm Responder

    Carol, onde você compra o tempeh? Queria muito encontrar mas está difícil 😰

    • experienciavegana

      agosto 30, 2017 at 9:57 am Responder

      No carioca zen (Humaitá) ou no veganza em Ipanema 😉
      Um beijo!!

Post a Comment

Se inscreva na nossa newsletter

Escreva seu e-mail para se inscrever,

 




Tópicos recentes

Categorias

Tags

Subscribe!